TRABALHADOR DA PARANAGUÁ SANEAMENTO: CONFIRA O EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA DE APRECIAÇÃO E VOTAÇÃO DA PROPOSTA DO PPR! PARTICIPE DA ASSEMBLEIA NO PRÓXIMO DIA 19

O Sindicato convoca a todos os trabalhadores da Paranaguá Saneamento para a Assembleia  online onde será debatido e votado a  proposta para o PPR. A assembleia acontecerá na próxima terça-feira, dia 19, às 08h. Após será aberto o processo de votação. Em breve o SAEMAC disponibilizará o link para acesso à assembleia. Sua participação é extremamente importante, então não deixe de fazer parte deste momento. 

CONFIRA ABAIXO O EDITAL DE CONVOCAÇÃO E A PROPOSTA DO PPR:



















CENTRAIS SINDICAIS FAZEM CAMPANHA FINANCEIRA PARA COMPRAR OXIGÊNIO PARA AMAZONAS


As seis principais centrais sindicais do país - Força Sindical, CUT (Central Única dos Trabalhadores), UGT (União Geral de Trabalhadores), CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros) e Nova Central - decidiram fazer uma campanha financeira entre suas entidades filiadas para dar início nesta sexta-feira (15) a uma campanha para arrecadar recursos para compra de oxigênio para o estado do Amazonas. 

Em reunião no início desta tarde, os presidentes da Força Sindical, Miguel Torres, da CUT , Sérgio Nobre, e da UGT, Ricardo Patah, formalizaram a iniciativa. Em uma hora, as centrais arrecadaram R$ 100 mil entre os sindicatos filiados. 

Desde quinta-feira (14), a cidade de Manaus, capital do estado, está sem oxigênio hospitalar em virtude do aumento da demanda provocado pela explosão de casos de Covid-19. O consumo do gás pelo menos triplicou nos últimos dias e, nas últimas 24 horas, a cidade usou o estoque disponível para 10 dias. 

Diante do caos, o estado começou a transferir pacientes de casos moderados de Covid-19 para outros estados, entre eles o Maranhão, o Piauí e o Distrito Federal. Os primeiros tanques de oxigênio transportados pela FAB começaram a chegar à capital amazonense nesta manhã. 

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta sexta-feira em suas redes sociais que “todos os meios foram disponibilizados” para atender a população do Amazonas. Já o vice-presidente Hamilton Mourão disse que não era possível prever a crise por causa da nova variante do novo coronavírus descoberta em Manaus.

Fonte: CNN Brasil – 15\01\2021


PISO REGIONAL DO PARANÁ TEM REAJUSTE DE 6% E CONTINUA COMO O MAIOR DO PAÍS

Valores do novo piso variam entre R$ 1.467,40 e R$ 1.696,20



O Conselho Estadual do Trabalho, Emprego e Renda do Paraná, fechou nesta terça-feira (12), com a as Centrais Sindicais, Dieese e o patronato, os valores do novo Piso Regional do estado. A regra para o reajuste foi negociada no ano passado e determina que o aumento seria feito pelo índice do salário mínimo de 2021 (5,26%) mais o acréscimo de aumento real de 50% do valor do PIB de 2019 (1,10%). Como o IBGE revisou, em dezembro último, o PIB de 2019, de 1,10% para 1,40%, acabou gerando um impasse, mas as Centrais bateram o pé e conseguiram manter a garantir a aplicação do percentual de 0,70% (50% de 1,40%), fazendo com que o reajuste total do Piso ficasse em 6%.

Dessa forma, os valores do Piso Regional do Paraná ficaram entre R$ 1.467,40 e R$ 1.696,20 (confira os valores detalhados abaixo) e continua como o maior do Brasil sendo 33,4% à 55,42% superiores ao salário mínimo nacional (R$1.100).

Maior do Brasil
Desde que foi instituído em 2005, pelo governador Roberto Requião, devido à luta das Centrais, o piso regional do estado sempre tem se mantido entre os maiores do país. O reajuste é sempre definido entre uma comissão tripartite formada pelas Centrais Sindicais, governo e patronal, com o apoio do Dieese. 

Divido em quatro faixas salariais o Piso Regional do Paraná fica da seguinte forma:
Grupo I – trabalhadores agropecuários, florestais e da pesca: R$ R$ 1.467,40

Grupo II – trabalhadores do setor de serviços administrativos, serviços gerais, de reparação e manutenção, vendedores do comércio em lojas e mercados, e também trabalhadores domésticos: R$ 1.524,60

Grupo III – trabalhadores na produção de bens e serviços industriais: R$ 1.577,40

Grupo IV - categoria de técnicos de nível médio: R$ 1.696,20

VACINA ,AUXÍLIO EMERGENCIAL E MAIS EMPREGOS: CENTRAIS SINDICAIS DEFINEM LINHA DE ATUAÇÃO PARA 2021

O Fórum das Centrais Sindicais, formado por CUT, Força Sindical, UGT, CTB, NCST e CSB definiu, em reunião por videoconferência,  na última semana, as prioridades para a atuação unitária do movimento sindical  para o ano que se inicia.

Na reunião, o debate foi  em torno da busca de soluções para a crise sanitária e econômica que coloca em risco a vida, a saúde, os empregos,  a renda e a proteção social atingindo  a todos os trabalhadores e trabalhadoras e,  com maior gravidade, os mais vulneráveis. Também foram debatidas as dificuldades deflagradas a partir da escandalosa supressão de direitos ocorrida na reforma trabalhista de 2017 e que impõe severas dificuldades e restrições às entidades sindicais em sua função elementar de exercer a defesa da classe trabalhadora.

A crise ainda é agravada pelas estarrecedoras práticas do Governo Bolsonaro que destroem as  políticas, programas e organizações públicas em todas as áreas, inclusive na da saúde. O país está cada vez mais atrasado na implantação da vacina por pura e deliberada irresponsabilidade do presidente Jair Bolsonaro. Seus péssimos exemplos só fazem aumentar as cenas de desrespeito de muitos aos cuidados e protocolos de segurança sanitária.  O fim do auxílio emergencial e da proteção dos salários/empregos a partir de janeiro serão dramáticos para milhões de trabalhadores e suas famílias, com possível  aumento da pobreza e da miséria.

Diante desse quadro e dos inúmeros desafios, as Centrais Sindicais definiram cinco eixos estratégicos para atuação, negociação e mobilização em 2021: 

1.    VACINA PARA TODOS: Exigir um plano nacional de vacinação, universal e público, estruturado a partir do SUS e do sistema nacional de vacinação, integrando e articulando os entes subnacionais (Estados e Municípios) e o setor privado em um esforço coordenado para uma execução segundo as prioridades estabelecidas pelo setor de saúde.

2. MANUTENÇÃO DO AUXÍLIO EMERGENCIAL E PROTEÇÃO DOS EMPREGOS/SALÁRIOS: Prorrogar o Auxílio Emergencial de R$ 600,00 e as medidas para o pagamento dos salários dos trabalhadores com contrato suspenso ou com redução de jornada de trabalho, durante a pandemia.

3.    EMPREGOS JÁ: Articular e implementar medidas com o objetivo de gerar empregos e renda para os milhões de desempregados. Essa medidas são a retomada das milhares de obras paradas, a recuperação imediata dos investimentos públicos em infraestrutura econômica e social e mobilização dos investimentos privados;  apoiar as micro, pequenas e médias empresas; usar o poder de compra  governamental para estimular a atividade produtiva e gerar/proteger empregos; recuperar e fortalecer o Sistema Público de Emprego, Trabalho e Renda para fazer intermediação de mão de obra, formação profissional e ampliar a proteção do seguro-desemprego; apoiar as iniciativas da economia solidária, do cooperativismo e da agricultura miliar; apoiar medidas de prefeituras e governos estaduais para gerar empregos de emergência com proteção social.

4.    CAMPANHAS DE SOLIDARIEDADE: Será muito importante, ainda mais diante da gravidade da crise e dos desmandos do governo federal, que toda a estrutura sindical mantenha as campanhas de ajuda solidária, em especial aos mais necessitados, assim como coloque sua estrutura à serviço do sistema nacional de vacinação em cada localidade.

5.  FORTALECIMENTO DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL E DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA: Recuperar a capacidade de atuação da estrutura sindical, inovando na organização, nas formas de luta e nas proposições, para uma atuação condizente com os desafios decorrentes das mudanças no mundo do trabalho, de entidades representativas, com ampla capacidade de negociação e saudável sustentação.

Essa agenda deve ser mobilizadora da ação sindical em todos os níveis, na interlocução com Prefeitos recém-empossados, com Governadores, com os empresários, assim como na articulação com os movimentos sociais e populares e com as entidades da sociedade civil.

Encontro com os candidatos às presidências da Câmara e do Senado
Especial atenção estdada ao processo de eleição da presidência da Câmara dos Deputados e do Senado que ocorrerão no dia 1º de fevereiro. Nesse sentido, deliberou-se apresentar imediatamente aos candidatos nas duas Casas a agenda acima indicada. Caberá ao Congresso deliberar sobre o Orçamento da União para o ano. Será fundamental reverter as inadequadas regras que colocam limites ao gasto público (Lei do teto de gasto), flexibilizando-o por meio do orçamento de guerra enquanto durar a pandemia, assim como criando regras orçamentárias coerentes com as funções do Estado e a proteção social, implantando mudanças tributárias de emergência que arrecadem dos ricos os fundos para fazer frente a esta gravíssima crise sanitária e econômica.

Conclamamos todo o movimento sindical brasileiro para a unidade de ação em torno desta agenda, para o fortalecimento da luta dos trabalhadores desde os sindicatos e para um movimento de inovação que recoloque a centralidade do mundo do trabalho na formulação de um novo projeto nacional de desenvolvimento.

                                                                                                                                                                                                                                                                                São Paulo, 05 de janeiro de 2021

Miguel Torres, presidente da Força Sindical

Sérgio Nobre, presidente da CUT - Central Única dos Trabalhadores

Ricardo Patah, presidente da UGT – União Geral dos Trabalhadores

Adilson Araújo, presidente da CTB – Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil

José Calixto Ramos, presidente da NCST – Nova Central Sindical de Trabalhadores

Antônio Neto, presidente da CSB – Central de Sindicatos Brasileiros


ATENÇÃO, TRABALHADOR DA PARANAGUÁ SANEAMENTO: ATUALIZE SEU CADASTRO PARA PODER VOTAR NA ASSEMBLEIA DO PPR


Atenção trabalhador da Paranaguá Saneamento, aproxima-se a assembleia para debater e votar o PPR. Devido a pandemia, tanto a assembleia como a votação serão realizadas de forma virtual. Dessa forma, o Sindicato está pedindo aos trabalhadores que atualizem seu cadastro junto ao SAEMAC para que possam participar da assembleia e da votação. 

 Para atualizar, basta CLICAR AQUI  e preencher o formulário com seus dados atualizados. O PRAZO PARA FAZER A  ATUALIZAÇÃO É ATÉ O DIA 16 DE JANEIRO, ÁS 20H. Então, clique no link e corre lá atualizar seu cadastro. É rapidinho. Assim você garante seu direito de participar desse momento importante para definir o PPR. Logo após o dia 16, o SAEMAC estará informando a data e o horário da assembleia.  Não deixe que outro decida por você, trabalhador. Participe! Quanto mais participação, mais forte fica a luta por melhores acordos e benefícios.