Empresas públicas de saneamento entram na mira do setor privado


De 71 milhões de domicílios que existem no Brasil, 47,1 milhões possuem escoamento do esgoto. Ou seja, quase 24 milhões de casas não possuem o serviço. Para 12 milhões de residências falta coleta de lixo e, em 10 milhões, não há distribuição de água. As informações são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (PNAD), divulgada em 2018.

Pagamento Ação Reflexo Insalubridade

Para saber se você tem direito e para obter orientações referentes ao pagamento, entre em contato pelo número: (45) 3223-5161 ou pelo e-mail: saemac@saemac.com.br .

Não serão informados valores por telefone, nem repassados informações de qualquer espécie a terceiros.

A greve dos Correios e o resgate do Brasil enquanto nação


Brasília – Em evento na capital cearense no último mês de agosto, o ministro da Economia, Paulo Guedes, na tentativa de ganhar o apoio popular para privatizar os Correios, disse que “ninguém hoje escreve carta”. A fala, que sequer pode ser chamada de argumento, está totalmente desnuda de racionalidade econômica e tenta esconder, de maneira inconsistente, as verdadeiras motivações ideológicas que dão corpo ao processo de privatização da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos.

Sanepar alerta para uso racional da água por causa da estiagem

A falta de chuvas nos últimos meses tem reduzido a vazão de rios e poços de algumas cidades na Região Oeste do Estado. Os sistemas de Cascavel, Anahy, Santa Tereza do Oeste, Lindoeste, Santa Lúcia e o Distrito de Ibiracema, no município de Catanduvas, são os que mais preocupam a Sanepar. A redução da vazão os rios ou poços que abastecem aos moradores dessas localidades chega a mais de 50%.

Cascavel terá racionamento de água em 24 horas


A Sanepar definiu pelo racionamento de água em Cascavel a partir de sexta-feira (13). A empresa optou pelo sistema de rodízio no abastecimento que deve seguir até quinta-feira (19).

O fechamento do abastecimento inicia às 12h30 com previsão de abertura às 19h, mas o sistema deve ser normalizado totalmente somente à meia noite.

Dieese: Pacote anunciado é insuficiente para reduzir desemprego


O governo de Jair Bolsonaro estuda lançar um “pacote de combate ao desemprego” que reúne diversas ações que pretendem criar condições que permitam aos empregadores criarem vagas de trabalho. O conjunto de propostas já vem sendo anunciado pela mídia desde a semana passada, mas apenas banqueiros e executivos tiveram acesso às propostas elaboradas pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, que deve, com aval desses setores, anunciá-las nos próximos dias.

Maioria dos brasileiros é contra programa de privatizações de Bolsonaro


Recorte da pesquisa Datafolha realizada no final de agosto, divulgado nesta terça-feira (10), mostra que a maioria dos brasileiros é contra o programa de privatizações do governo de Jair Bolsonaro (PSL), que planeja se livrar do patrimônio público ainda este ano. 

Caixa começa a liberar R$ 500 do FGTS nesta sexta-feira

A partir da sexta-feira (13), quem tem conta poupança ou é correntista da Caixa receberá automaticamente os recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), limitados a R$ 500 por conta.

Governo já arquiteta nova Reforma Trabalhista


Em meio às discussões e debates no entorno da Reforma da Previdência, o Governo já está tramando uma nova Reforma Trabalhista em que dois pontos já chamam a atenção: as barreiras que serão criadas para impedir o acesso dos trabalhadores a justiça do trabalho e o enfraquecimento das Entidades Sindicais.
Segundo o secretário Rogério Marinho, em matéria publicada pelo portal Terra, a ideia é simplificar permitindo que boa parte das questões, hoje discutidas na esfera judicial, sejam resolvidas sem a intervenção do Estado ou da Justiça, ou seja, na prática, visa beneficiar os empregadores em detrimento dos trabalhadores, já que estes, até por desconhecimento jurídico, dificilmente vão conseguir se colocar em pé de igualdade na busca de seus direitos e certamente serão lesados sem obter êxito em suas solicitações.

Segue em andamento o pagamento dos valores da ação do Reflexo da Insalubridade sobre as Horas Extras


O SAEMAC está realizando desde a segunda quinzena de agosto o pagamento da ação aos trabalhadores que, no período compreendido entre 26 de junho de 2001 até maio de 2008, desenvolviam atividade insalubre, mas que não recebiam da SANEPAR o reflexo desta sobre as horas extras.

Reforma da Previdência: texto principal é aprovado na CCJ do Senado


O texto principal da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 06/2019, nome oficial da reforma da Previdência, foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado nesta quarta-feira (4) por 18 favoráveis e 7 contrários.

O relator da reforma na CCJ do Senado, Tasso Jereissati (PSDB-CE),  manteve em seu texto a maioria das maldades da reforma encaminhada pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL) para o Congresso Nacional e já aprovada na Câmara dos Deputados em julho.

Isso significa que os senadores aprovaram o fim da aposentadoria por tempo de contribuição; a obrigatoriedade da idade mínima de 65 anos para os homens e 62 para as mulheres se aposentarem; a mudança na fórmula de cálculo do salário benefício, que rebaixará o valor médio dos benefícios; o prazo curto das regras de transição; a não criação de regras de transição para pensões; e a redução dos valores das pensões.

Tramitação

A próxima etapa será a votação no plenário, onde cada texto precisará do apoio de ao menos 49 dos 81 senadores. Se aprovada pela maioria dos senadores, o texto segue para a sanção presidencial.

PEC Paralela

Para a PEC não ter de voltar para a Câmara para outra aprovação caso seja modificada, o relator da reforma na CCJ, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), decidiu apresentar uma PEC Paralela sugerindo alterações em itens como pensão por morte, aposentadoria por incapacidade permanente, tempo de contribuição dos homens e outros itens. Essa PEC ainda precisa passar por uma nova análise dos deputados.

No texto principal o senador incluiu emenda que proíbe valor abaixo do salário mínimo para pensão por morte. Tasso também acrescentou os trabalhadores e as trabalhadoras informais no regime especial da Previdência do Microempreendedor Individual (MEI). O tucano acredita que a mudança vai aumentar a arrecadação da União, mas não fez projeção de valores.

Confira quem votou a favor e contra o texto principal da reforma:

A favor

Eduardo Braga (MDB-AM)

Mecias de Jesus (Republicanos-RR)

José Maranhão (MDB-PB)

Ciro Nogueira (PP-PI)

Esperidião Amin (PP-SC)

Alessandro Vieira (Cidadania-SE)

Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE)

Jorge Kajuru (Patriota-GO)

Antonio Anastasia (PSDB-MG)

Tasso Jereissati (PSDB-CE)

Marcos do Val (Podemos-ES)

Oriovisto Guimarães (Podemos-PR)

Juíza Selma (PSL-MS)

Marcos Rogério (DEM-RO)

Jorginho Mello (PL-SC)

Roberto Rocha (PSDB-MA)

Major Olímpio (PSL-SP)

Luiz Carlos Heinze (PP-RS)

Votaram contra o texto principal da reforma:

Veneziano Vital do Rego (PSB-PB)

Fabiano Contarato (Rede-ES)

Weverton Rocha (PDT-MA)

Humberto Costa (PT-PE)

Paulo Paim (PT-RS)

Rogério Carvalho (PT-SE)

Otto Alencar (PSD-BA)

Valor das aposentadorias deve cair de 20% a 30% se reforma for aprovada

Quem está em dúvida, e ainda não decidiu se apoia ou não a reforma da Previdência, deve considerar esta questão: a reforma, em tramitação no Senado, vai cortar de 20% a 30% do valor das aposentadorias, se comparada à forma de cálculo atual. A advertência foi feita ontem (3) pelo especialista em direito previdenciário Diego Monteiro Cherulli, ao participar da última audiência pública sobre a reforma da Previdência (PEC 6/2019) antes da votação do relatório preliminar da proposta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que acontece nesta quarta-feira (4).


“Hoje o benefício previdenciário é calculado pela média dos 80% maiores salários de contribuição. O cálculo da média, que era dos 80%, foi alterado para a média de 100% dos salários. Só nessa alteração há uma perda de 20% a 30% do valor do benefício”, destacou o especialista. Essa perda ocorre porque, com a média dos 80% atualmente vigente, o contribuinte pode desprezar os menores salários de contribuição, e assim alçar um valor um pouco mais alto para a aposentadoria.

O senador Paulo Paim disse que a reforma vai prejudicar no mínimo 200 milhões de brasileiros. “Eu tenho dito que essa votação da reforma da Previdência é a votação das nossas vidas, essa de fato vai atingir no mínimo 200 milhões de brasileiros. Os outros dez milhões, que são os super ricos, esses não estão preocupados. Mas o Brasil, como é o país de maior concentração de renda do mundo, vai ter impacto negativo com essa reforma”, disse Paim.









Fonte: CUT


Informalidade bate recorde e atinge quase 36 milhões de trabalhadores

O aumento recorde da informalidade, emprego sem carteira assinada e por conta própria, sem direitos, derrubou a taxa de desemprego de 12,5% para 11,8% entre os trimestres encerrados em abril e julho. Apesar da queda, o desemprego ainda atinge 12,6 milhões de trabalhadores e trabalhadoras, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgados na última sexta-feira (30) pelo IBGE.

No período pesquisado, 35,9 milhões de trabalhadores recorreram à informalidade para conseguir algum tipo de renda para sobreviver e sustentar a família. Deste total, 11,7 milhões estão trabalhando no setor privado sem carteira assinada, o maior contingente da série histórica iniciada em 2012.

Outros 24,2 milhões de trabalhadores, o maior contingente da série histórica, foram obrigados a trabalhar por conta própria - crescimento de 1,4% na comparação com o trimestre anterior (fevereiro a abril de 2019), o que significa que mais 343 mil pessoas passaram a fazer bicos.

“Desde o início da crise econômica a inserção por conta própria vem sendo ampliada em função da falta de oportunidade no mercado formal”, disse o gerente da PNAD, Cimar Azeredo. “Um dos sinais de recuperação do mercado de trabalho, dada experiências em crises anteriores, é a redução desta forma de inserção, que atingiu o nível mais alto neste trimestre”, explicou.

Subutilizados e desalentados

No trimestre encerrado em julho, havia cerca de 28,1 milhões (24,6%) de trabalhadores e trabalhadoras subutilizados, pessoas que querem e precisam trabalhar mais horas ou dias da semana e não conseguem.

Além disso, 4,8 milhões continuam desalentados, ou seja, cansaram de procurar emprego e não encontrar. O percentual de pessoas desalentadas em relação à população na força de trabalho ou desalentada foi estimado em 4,4% e repetiu o recorde da série histórica, ficando estável em ambas as comparações.

Rendimento médio

E quem está trabalhando viu o rendimento médio real habitual (R$ 2.286) cair 1,0% entre os trimestres encerrados em abril e o encerrado em julho. Já a massa de rendimento real habitual (R$ 208,6 bilhões) ficou estável em relação ao trimestre anterior e cresceu 2,2% (mais R$ 4,5 bilhões) frente ao mesmo período de 2018.

Confira aqui a íntegra do release do IBGE.