Privatização do saneamento pode repetir o fracasso do pedágio em nosso Estado


Já falamos do Chile, Alemanha, França e diversos outros países que reestatizaram seus serviços de saneamento, energia elétrica, gás, transporte, entre outros, depois que as empresas que assumiram esta responsabilidade passaram a cobrar altas tarifas, sem realizar os investimentos necessários e deixando a população a mercê de um serviço péssima qualidade.

Mas não precisamos ir mundo longe. No Paraná, o Pedágio, marcado por um contrato mal feito, demagogia política e escândalos de corrupção, é um exemplo claro de como a privatização pode ser extremamente prejudicial ao interesse público. Um problema que pode perdurar ao longo de anos e anos sem que nada possa ser feito a curto e médio prazo para reverter à situação. Nesse período, você já deve imaginar quem paga a conta, não é mesmo?! Sim, o povo!

Na década de 90, em meio a crise, as estradas se deterioravam. Os Estados não tinham dinheiro para realizar investimentos de infraestrutura. A concessão das estradas para a iniciativa privada foi colocada pelo Governo Federal como a solução para todos os problemas. A ideia ganhou força e o Paraná foi um dos primeiros Estados a aderir a esta medida privatista.

Mas os problemas começaram logo no início, com a escolha de um modelo de concessão em que a empresa vencedora não seria aquela que oferecesse a menor tarifa, mas a que apresentasse o plano para manutenção da maior extensão de estradas, o que claramente oneraria no valor das tarifas. E isso de fato aconteceu, causando grande revolta por parte dos motoristas que trafegavam pelas rodovias paranaenses.

Daí pra frente virou uma bola de neve. Governo após governo, houveram tentativas inclusive judiciais de se baixar as tarifas ou até mesmo de reestatizar os serviços, mas os contratos tão bem amarrados não davam brecha para redução nos preços ou mesmo na taxa interna de retorno que era de 20%, muito acima da praticada em contratos fechados posteriormente em outros estados que girava em torno 8%.

O pedágio não diminuiu. O Governo perdeu ações na justiça e, como consequência, as empresas foram desobrigadas a fazer investimentos que estavam previstos inicialmente, passando a ficar responsáveis apenas pela manutenção das estradas. No final dos anos 90, início de 2000, começaram os escândalos de corrupção envolvendo o pedágio com o pagamento de valores das empresas aos funcionários do Estado para obterem pareceres favoráveis e para que afrouxassem a fiscalização. Este esquema, segundo o GAECO (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), envolveu até mesmo o então Governador Beto Richa.

Este é um pequeno resumo destes 22 anos. Vale lembrar que temos mais dois pela frente até que o contrato firmado com as concessionárias, no então Governo de Jaime Lerner,  seja finalizado e o controle das estradas volte para a união.

Até lá a população segue tendo de conviver com o pedágio mais caro do país, estradas não duplicadas, mal sinalizadas e muitas delas em péssimas condições de trafegabilidade.

E pensar que essa história pode se repetir, dessa vez com o saneamento.

Em 22/02/2007, entrou oficialmente em vigor a Lei nº. 11.445/2007, que estabeleceu diretrizes nacionais para o saneamento básico no Brasil. Após um longo período de debates, a Lei veio regular um setor que, apesar da indiscutível relevância, permanecia sem uma regulação específica. Estabeleceu diretrizes claras quanto a denominação, titularidade e Entidade reguladora. Deu autonomia para que Estados e Municípios fechassem os contratos de prestação de serviço com as empresas públicas, Estaduais ou Municipais, e tem norteado o trabalho destas desde então.

Doze anos depois tivemos avanços significativos, mas ainda a muito por fazer. Fica claro que o Marco Regulatório precisa ser atualizado, com a adequação de alguns pontos a nova realidade do país, mas não da forma como o Governo está fazendo, a toque de caixa, de forma autoritária e sem um debate adequado e aprofundado com os trabalhadores, Entidades ligadas ao setor e população em geral.

Arquitetada ainda no Governo de Michel Temer, na época como Medida Provisória 844 e posteriormente 868, também conhecidas como MP da Sede e da Conta Alta, o agora PL 3261/19 veio ainda com mais força. Já teve o relatório aprovado na Comissão Especial e aguarda agora para ser votada no plenário da Câmara.

Se aprovado, irá escancarar as portas da privatização do setor de saneamento em nosso país para a iniciativa privada, retirando a autonomia de Estados e Municípios em definir como será feita a prestação desses serviços.

O texto do referido PL, assegura a vigência dos atuais contratos até o prazo final, mas caso as atuais prestadoras não façam as devidas adequações e cumpram determinadas condicionantes do contrato, prevê a realização de licitação, com participação de empresas públicas e privadas, para recontratação dos serviços.

Assim como aconteceu como o pedágio, a ideia vendida pelo governo de que esta é a solução para todos os problemas, principalmente para se alcançar a universalização do sistema, não passa de uma falácia. Isso por que, para a iniciativa privada, só é viável economicamente atender os municípios maiores e consequentemente mais lucrativos. Enquanto os menores e menos rentáveis, sem o mecanismo de subsídio cruzado, usado atualmente, no qual as cidades superavitárias subsidiam as deficitárias, terão de conviver com um serviço de péssima qualidade, ou nem isso.

Essa mudança poderá impactar ainda na saúde, com aumento de doenças, muitas das quais erradicadas a muitos anos de nosso país, e no bolso com os aumentos constantes nas tarifas, afinal para o setor privado, água é mercadoria, e mercadoria precisa gerar lucro.

É justamente pela defesa de um serviço, público de qualidade e acessível para todos que temos de nos unir e pressionar os parlamentares a fim de impedir que este Projeto seja aprovado. Do contrário teremos de amargar por longos e penosos anos as consequências de mais este retrocesso.

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.