Governo já arquiteta nova Reforma Trabalhista


Em meio às discussões e debates no entorno da Reforma da Previdência, o Governo já está tramando uma nova Reforma Trabalhista em que dois pontos já chamam a atenção: as barreiras que serão criadas para impedir o acesso dos trabalhadores a justiça do trabalho e o enfraquecimento das Entidades Sindicais.
Segundo o secretário Rogério Marinho, em matéria publicada pelo portal Terra, a ideia é simplificar permitindo que boa parte das questões, hoje discutidas na esfera judicial, sejam resolvidas sem a intervenção do Estado ou da Justiça, ou seja, na prática, visa beneficiar os empregadores em detrimento dos trabalhadores, já que estes, até por desconhecimento jurídico, dificilmente vão conseguir se colocar em pé de igualdade na busca de seus direitos e certamente serão lesados sem obter êxito em suas solicitações.

E os ataques não param por ai. Como as ações coletivas tem sido um trunfo importante para que os trabalhadores possam ter seus direitos assegurados cogita-se acabar com a unicidade sindical, ou seja, acabar com sua principal arma dos Sindicatos que é a coletividade.

De acordo com a reportagem não importa o método, se com medidas infralegais, com projeto de lei ou proposta de emenda à constituição, o objetivo, segundo Rogério, é aproveitar “um parlamento reformista e propício às mudanças”, não por acaso formado por parlamentares detentores de altos salários, cheios de mordomias e que não estão nenhum pouco preocupados com o bem estar da classe trabalhadora.

Marinho afirmou ainda, que a proposta deve ser conduzida pelo Gaet (Grupo de Altos Estudos do Trabalho) formado por especialistas nas áreas trabalhistas e previdenciária e que deve contar com a participação de entidades sindicais para que haja um amplo debate sobre o tema. Será mesmo? Muito se falou nesta abertura para o diálogo durante as discussões da Reforma Trabalhista em 2017, mas nada foi feito. Direitos conquistados a duras penas foram retirados sem que a opinião dos principais interessados fosse levada em consideração. O resultado é o aumento de desemprego, informalidade e consequentemente da pobreza em nosso páis, pontos que devem ser acentuados com esta nova Reforma.

É nobres trabalhadores, ao que tudo indica teremos uma nova batalha vindo pela frente e mais uma vez devemos unir forças ou seremos amplamente prejudicados num futuro muito próximo.


0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.