Celso Nascimento: Cerveró passou por aqui?

Por que não a Copel? Esta era a pergunta que muitos se fazem desde domingo quando ficou claro que, ao contrário do que propagou, o governo estadual não ampliou o controle sobre a Sanepar, mas privilegiou a Construtora Andrade Gutierrez, agora majoritária na composição do Grupo Dominó, sócio privado da companhia de saneamento.

Tudo começou quando, por iniciativa do governo e sob a justificativa de colocar a Sanepar em patamar superior no mercado acionário, promoveu frenética dança nas posses de ações preferenciais e ordinárias – estas com direito a voto – entre seus parceiros. Disto resultou que o Grupo Dominó, ente privado que detinha 39,7% do controle da Sanepar, viu-se diminuído para 25%, ao passo que o governo, antes dono de 60%, passou para 75%. Daí a impressão de que o poder privado na Sanepar diminuiu e o do estado cresceu.

Só impressão. É que, por trás desta engenharia, continua em vigor o Pacto de Acionistas firmado em 1998, pelo qual o Grupo Dominó, em troca de tecnologia e de US$ 217 milhões pagos à Fazenda estadual, ficou dono de uma parte da Sanepar e a ter direito a três estratégicas diretorias – a Superintendência, a de Operações e a Financeira.

A dança acionária promovida por iniciativa do governo em abril deste ano atingiu internamente também o Grupo Dominó, constituído por três sócios: a Copel, o Daleth (fundos de pensão) e a Andrade Gutierrez. Nenhum dos três detinha mais de 50% do capital do Dominó – mas agora a Gutierrez é dona de 51%. A Copel ficou com 49% e o Daleth caiu fora.

A conclusão é óbvia: por ser majoritária no Dominó, é a Andrade Gutierrez que mandará nas três diretorias. E a Copel, com 2% de capital a menos do que a sócia, não terá mais cacife para se incluir na direção da Sanepar, contrariamente ao que, em tese, deveria ser de interesse do governo.

Pergunta-se: a Copel não quis assumir a condição de sócia majoritária do Grupo Dominó? Quem tomou a decisão de, por apenas 2%, deixar a Copel de fora? Teria sido Cerveró, aquele que entregou a Dilma o relatório tosco sobre Pasadena?

1 comentários:

espera ai?!?!?! se a Gutierrez tem 51% de 25% do total logo ela terá 12,75% das ações ordinárias, a Copel com 12,25% e a Sanepar com 75% das ações ordinárias, logo na relação Sanepar e Grupo privado não houve o aumento acionário do Estado?? E o que ocorreu internamente no grupo domino, não se restringe a seu poder acionário total de 25%? Não entendi o que há de errado......

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.