Procuradora alerta sobre efeitos da terceirizacão

Para falar sobre a terceirização de serviços e seus efeitos, a procuradora regional do Trabalho Ileana Neiva ministrou minicurso na XIX Semana de Ciência, Tecnologia e Cultura (Cientec), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). A palestra ocorreu em Natal, no dia 25 de outubro, e foi promovida pelo Movimento Articulado de Combate à Corrupção (Marcco-RN), que tem o Ministério Público do Trabalho (MPT-RN) como um dos integrantes. 
 
Na semana passada, a procuradora regional do Trabalho também participou do estande do Marcco-RN, mantido durante toda a programação da XIX Cientec, que aconteceu de 22 a 25 de outubro. Com público estimado de 50 mil visitantes, a participação teve como foco convocar a sociedade a combater a terceirização sem limites, pretendida pelo Projeto de Lei 4330/2004, em tramitação  no Congresso Nacional.

No evento, foram exibidos vídeos da Campanha da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) contra o PL 4330/2004, que tem a participação voluntária de artistas apontando os prejuízos decorrentes de eventual aprovação do projeto. Além disso, os visitantes foram convidados a aderirem ao abaixo-assinado eletrônico contrário ao PL, disponível no site www.change.org. Também foi entregue material informativo sobre a atuação do MPT-RN, inclusive no combate à corrupção.

Para Ileana Neiva, a participação do Ministério Público do Trabalho foi uma oportunidade de aproximar a instituição do cidadão e conscientizar a sociedade sobre os malefícios que esse projeto de lei que trará aos trabalhadores se for aprovado. "A terceirização sem limites é uma caixa preta que estimula a corrupção, além de precarizar as relações de trabalho", alertou. 
Congresso Nacional do Ministério Público 

O Marcco-RN também terá um estande no XX Congresso Nacional do Ministério Público, que acontece de 30 de outubro a 2 de novembro, no Centro de Convenções em Natal. Na oportunidade, o MPT irá participar, novamente convocando os participantes do congresso a aderirem ao abaixo-assinado eletrônico contra o PL 4330/04.

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.