Correios levarão 10 dias para normalizar entregas no Paraná

Com o fim da greve dos Correios, determinado pela Justiça, a empresa estima que, no Paraná, a normalização das entregas em atraso leve pelo menos dez dias para ser concluída, a partir desta quarta-feira (9). A decisão saiu nesta terça (8), mas os trabalhadores grevistas devem voltar ao trabalho apenas na quinta-feira (10). Com isso, 80% das encomendas em atraso devem ser entregues até o dia 11. Os 20% restantes têm previsão de entrega até 18 de outubro.

A assessoria de imprensa dos Correios informa que 92,42% dos trabalhadores compareceram aos seus postos de trabalho no estado nesta quarta. O número é obtido por meio do sistema de registro de presença eletrônico da companhia. O órgão ainda não tem números atualizados sobre o volume de objetos postais estão em atraso hoje, nem informa se todos os serviços prestados pela estatal já foram restabelecidos. Na tarde de terça, 1,08 milhão de objetos estavam acumulados.

Uma reunião em Brasília define se haverá necessidade de promover mais um mutirão no fim de semana para restabelecer as entregas. A princípio, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) determinou que os trabalhadores ampliem o expediente em duas horas por dia para normalizar a demanda acumulada. Uma definição sobre o assunto deve sair nesta tarde, segundo os Correios.

O secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores nos Correios do Paraná (Sintcom-PR), Jurandir Damião da Silva, diz que nesta quarta ainda ocorre um ato como parte do movimento de greve. Alguns manifestantes se reúnem em frente à sede da João Negrão, em Curitiba, e devem permanecer no local até o meio da tarde. Mas, nesta quinta, segundo ele, todos os funcionários cumprirão a decisão judicial e voltarão normalmente aos seus postos.

“Mas vamos continuar organizando o movimento, porque temos ainda outro julgamento. Nós entramos na Justiça contra os Correios, porque a empresa descumpriu um acordo coletivo do ano passado, fazendo estatuto do plano de saúde sem consultar os trabalhadores.”

Dissídio coletivo

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) , em julgamento de dissídio coletivo, determinou nesta terça (8) que os funcionários da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) voltem a trabalhar a partir desta quinta-feira (10). A decisão do TST manteve o reajuste oferecido pelos Correios de 8% nos salários mais 6,27% nos benefícios, além de um vale-extra de R$ 650,65. Em relação ao plano de saúde demandado pela categoria, o tribunal manteve os atuais direitos sem nenhum custo adicional, assim como ofertado pela empresa.

Pela decisão do TST, os dias parados terão de ser compensados. Para fazer a compensação, os funcionários terão que trabalhar duas horas a mais de segunda a sexta-feira pelo prazo de 180 dias de modo a normalizar a entrega de cartas e encomendas em todo o país. O expediente de sábado e domingo não será alterado.

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.